This is the dark time, my love / Este é o tempo da escuridão, meu amor

This is the dark time, my love.
All round the land brown beetles crawl about.
The shining sun is hidden in the sky.
Red flowers bend their heads in awful sorrow.

This is the dark time, my love.
It is the season of oppression, dark metal, and tears.
It is the festival of guns, the carnival of misery.
Everywhere the faces of men are strained and anxious.

Who comes walking in the dark night time?
Whose boot of steel tramps down the slender grass?
It is the man of death, my love, the stranger invader
Watching you sleep and aiming at your dream.

este_e_o_tempo_da_escuridao_meu_amor03

Este é o tempo da escuridão, meu amor.
À volta os escaravelhos castanhos da terra rastejam.
O sol que brilha está escondido no céu.
Flores Vermelhas vergam as cabeças numa tristeza profunda.

Este é o tempo da escuridão, meu amor.
É a estação da opressão, do metal negro e das lágrimas.
É o festival das espingardas, o carnaval da miséria.
Por todo o lado os rostos estão tensos e ansiosos.

Quem se aproxima no tempo da escuridão?
De quem é a bota de aço que pisa a relva esguia?
É o homem da morte, meu amor, o invasor estranho
que observa a dormir e faz pontaria ao sonho.

este_e_o_tempo_da_escuridao_meu_amor02

Martin Carter in “This is the dark time, my love” de “Poems of Resistance from British Guiana” (1954)

Anúncios

Argumente

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s