“O alemão” e o senso de ridículo…

Se não sabem na Grécia existe um nosso Secretário de Estado, o “dos assuntos europeus“, que é denominado como “o Alemão“. De seu nome Bruno Maçães tem a mania de se envolver em polémicas com a sua conta Twitter (@MacaesBruno)  e recentemente voltou a fazer das suas com um ex-assessor de Durão Barroso da UE, mas é a parvoíce de bate boca e queixinhas com um órgão de comunicação social internacional e muito influente, como o Wall Street Journal (v. WSJ) que vos relato com detalhe nesta postagem.

A alcunha de “O alemão

A alcunha explica-se rapidamente, numa viagem que este membro do (des)governo atual fez à Grécia, em novembro de 2013, onde participou numa mesa redonda sobre o tema “Governância económica e crise europeia” promovido pela Embaixada de Portugal em Atenas e pela Fundação Helénica para a Política Europeia e Estrangeira (ELIAMEP), dois diários do país publicaram artigos de opinião expressando surpresa com a proximidade do discurso de Bruno Maçães à posição alemã, o diário “Ta Nea” então próximo do partido socialista grego (PASOK) e num editorial não assinado, mas cuja responsabilidade cabe em regra à editora de política, referia-se ironicamente à “boa solidariedade” deste governante apresentado-o como um português que “fez de alemão“, um governante que o jornal considera ser “mais troikano que os troikanos“, por considerar que “não deve ser pedido mais tempo para os países intervencionados executarem as reformas exigidas pelos credores internacionais” já outro diário o “E Kathimerini“, Bruno Maçães é também descrito como “mais alemão que os alemães” por “proclamar com paixão quão importante é a disciplina fiscal.

O senso do ridículo…

Desde daí “o Alemão” não tem dado tréguas mesmo após ser criticado em Portugal, até por pessoas da sua área ideológica pelas atitudes que tomou, e muitas dessas posições pelo seu Twitter (@MacaesBruno) e são tantas que é fastidioso estar a repeti-las mas é por esta via que também demonstra a felicidade pela sua alcunha, eis uma foto que o correspondente alemão e pelos vistos seu chefe lhe devotou num dos últimos momentos em que Portugal mais uma vez foi ridicularizado pelos alemães:

o_alemao_e_o_censo_do_ridiculo02

O nosso “o Alemão” mais uma vez entra no jogo e partilha com orgulho a sua alcunha, mostrando com um sorriso de felicidade em 24 de maio a sua subserviência aos ditames germânicos, por aqui costuma-se dizer: “quem não quer ser lobo não lhe veste a pele“!!!

Como vos referi mais recentemente o tal tipinho que é nosso Secretário de Estado dos Assuntos Europeus foi mesmo gozado por um jornalista, é quem não se dá ao respeito não o merece, o caso é explicado em breves palavras, Phillipe Legrain (que foi assessor de Durão Barroso na UE e agora é comentador económico da BBC) contestou o país das maravilhas onde “o Alemão” vive e em @plegrain (a sua conta do Twitter) lembrou ao mesmo: “sim, a economia de #Portugal ainda está 7,5% abaixo em relação a sete anos atrás! É isto a que você chama ter deixado os riscos para trás?” depois de alguns argumentos e contra argumentos por parte dos dois, e vendo que os argumentos do nosso (des)governante eram de tal maneira ridículos, um jornalista económico austríaco de seu nome Robert Misik (e que tem a sua conta Twitter como @misik) questionou se o nosso “o Alemão” era mesmo real e não um projecto satírico e escreveu: “@plegrain, que palhaço engraçado este Bruno é, Phillipe. Diz-me se este Tipo é um projeto satírico“!!! A resposta do jornalista da BBC não se fez esperar: “@misik às vezes eu penso que é, mas olhando para outros tweets deste, ele parece realmente um governante

Por isso não, não tem nenhum senso de ridículo!!!

A polémica com o Wall Street Journal

Após uma reportagem publicada em 17 de julho de 2015, intitulada “Portugal on Road to Recovery Post-Bailout, But Scars Remain” por este jornal norte-americano e na sua plataforma online pela jornalista e correspondente do WSJ em Portugal, Patricia Kowsmann, este nosso governante resolveu corrigir/censurar/pressionar a mesma à boa maneira do Estado Novo!!! E o que é que esta figura subserviente aos alemães escreveu na sua página pessoal, que os níveis de desemprego “estão agora nos mesmos níveis que estavam antes do resgate financeiro“, fazendo notar que a peça “ainda não foi corrigida” e argumentando que os números apresentados com base nos valores de Maio são ainda “preliminares

Eis então que não contente com a sua boca e a resposta da jornalista, que nem se deveria ter que defender mas que o fez mais por brio profissional e respeito aos seus eleitores do que por considerar quem fez o reparo, “o Alemão” foi direto ao chefe desta e editor-chefe de Bruxelas desta publicação, Stephen Fidler e como um puto a fazer queixinhas referiu: O desemprego está ao nível do pré-resgate. Vejo que ainda não corrigiu o artigo“. É claro que a resposta deste não tardou ao puto queixinhas e destacou na sua página desta rede social, uma frase da reportagem proferida por José Maria Costa, o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo. “O mais duro é ver a juventude a partir, deixando para trás um país mais triste e mais velho.

E esta triste figura efetuada por este “governante português” foi tal que outra jornalista, Gabriele Steinhauser, colega da primeira se envolveu provocou o puto queixinhas e escreveu: “O momento a que quer voltar é aquele em que a sua economia estava tão má que precisou de um resgate?” Não se tocando, “o Alemão” continua na sua senda de ficar ainda mais ridículo e respondeu a esta jornalista com um: “Gabrielle, o que temos estado a discutir é a eurocrise em economias de resgate. Alguma disciplina, por favor“. Ao dar esta resposta permitiu a uma experiente jornalista política, como é Gabriele Steinhauser, responder-lhe com um irónico: “É como dizer que no momento em que sai do hospital sentir-se como quando chegou às urgências. O ponto de partida deveria ser, em primeiro lugar, com toda a certeza, como se sentia antes de estar doente“!!!

o_alemao_e_o_censo_do_ridiculo04

Seria de esperar que alguém depois de levar porrada de todos os lados e sendo governante de um país como Portugal tivesse o senso do ridículo e se calasse, pois, eis o problema não só não se calou como ainda foi mais ridicularizado!!!

Assim e diante estas respostas o nosso ridículo secretário de estado tentou reescrever o artigo com a sua verdade dos factos: “Desemprego em Portugal. Setembro de 2011: 13,2%. Abril de 2015: 12,8%. Caso encerrado“. Pois é mas foi logo de imediato corrigido pelo editor-chefe de Bruxelas do WSJ, Stephen Fidler, que referiu e bem: “Portugal quando foi aprovado o resgate, maio de 2011. Taxa de desemprego da Eurostat: 12,3%. Maio de 2015: 13%. Caso encerrado” E fazendo acompanha a sua resposta de um link para as estatísticas oficiais da Eurostat!!! E para a coisa ficar ainda mais clara este editor acrescentou ao artigo uma nota em que se explica que a base de comparação é de 2009 e não 2011. “A taxa de desemprego de 13,5% de Portugal para o primeiro trimestre do ano é cerca de três pontos percentuais mais alta do que a média de 10,7% em 2009, antes de a crise da dívida do país começar, de acordo com a Eurostat. A versão anterior dizia incorretamente que era três pontos mais alta do que antes do resgate, e não especificava o arredondamento dos números e a fonte dos dados.

o_alemao_e_o_censo_do_ridiculo05

Após esta correção sabemos que o tal puto queixinhas agradeceu a mesma, tudo para não perder a face!!! Eis como um simples número que poderia passar despercebido num artigo sobre Portugal que até nem apresentava um quadro muito negro da situação, foi empolado, porque um (des)governante português decidiu corrigir/censurar/pressionar a jornalista que o escreveu e envolver-se em diálogos com o seu chefe e outra sua colega de profissão!!!

E eis como é que algo simples se transforma num motivo de noticia e de empolamento num órgão de comunicação que é mundial e que trucida putos metidos a queixinhas em dois tempos!!! Eis como estamos representados ao mais alto nível e como é que um (des)governante denominado e conhecido por “o Alemão” nos envergonha a nós enquanto povo ao fazer estas tristes figuras de tentativas de uso de caneta azul!!!

Anúncios

Argumente

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s