:: Vespas ::

A verdade, a minha verdade, é que não tenho que acusar, condenar e executar Sócrates, para tentar provar aos outros, ou fazer parecer aos outros, que sou honesto. E essa, é uma grande diferença para muitos.

Eu não sei se Sócrates é ou não corrupto. Mas posso afirmar que não o é na proporção do que é divulgado. Também não sei se há muitas centenas ou milhares de outros corruptos em Portugal. Mas posso afirmar que os “factos” vindos a público, já afectaram outros, e que nunca vi uma reacção popular na mesma magnitude.

Talvez, se partirmos da base de que todos os políticos são corruptos, seja possível perceber melhor o que move tanta gente contra este homem em particular. Porque a diferença existe. Mesmo partindo de base da corrupção generalizada, não é qualquer tó, Pedro ou Paulo que tem este feedback amoroso/odioso.

Talvez porque este, mesmo corrupto (se o fosse) mexeu nos vespeiros que os outros apenas conviviam, sem agitar as entranhas dos mesmos.

Talvez porque este, ao invés de (apenas) gerir vida, como todos os outros, ter-lhe dado para ajustar verdadeiramente os níveis. Os níveis da maioria para cima, e os níveis do “senhor poderoso” para baixo.

Bem sei… Se ele tivesse vendido (com maioria absoluta em 2005-2009 poderia ter feito) 90% do país, estou certo, que nem os poderosos o odiavam tanto, nem tão pouco os portugueses, no geral, o estariam hoje a condenar em praça pública, tal e qual como na época medieval.

“Lá para os confins da Ibéria existe um povo que nem se governa nem se deixa governar” – são palavras de imperador. Eu acrescento que cá para os lados da Ibéria, existe um povo com uma falta muito grande de vergonha, de amor próprio, mas sobretudo, com uma atração muito grande pelas vespas do regime.

Atira-te!

Não interessa de onde. Não interessa para onde. Simplesmente, atira-te!
Antes isso, que pensares que viveste toda a vida porque limitaste o risco, quando o mais usual, é descobrires afinal que de tanto limitar o risco, não morreste… mas muito menos, estiveste vivo…

Atira-te!
Atira-te!

Gaiola Suspensa

gaiola suspensa medieval

Às vezes penso que, se um dia acordamos um pouco mais tarde, alguém coloca outro alguém numa gaiola destas em pleno século 21.
As redes sociais fazem-me, por vezes, pressentir o pior. Há um estranho cheiro no ar, provocado pelas próprias pessoas, ainda mais forte do que aquele que é provocado pelos poderes regressados do 24 de Abril.